Classificação de Livros é utilizada pela segunda vez na Avaliação Trienal da Capes

postado em 10 de out de 2013 15:19 por Diretoria de Avaliação   [ 10 de out de 2013 15:19 atualizado‎(s)‎ ]
Publicada por Coordenação de Comunicação Social da Capes   
Quinta, 10 de Outubro de 2013 17:42

Aprovado pelo Conselho Técnico-Científico da Educação Superior (CTC-ES) em agosto de 2009, o Roteiro para Classificação de Livros passou, desde então, a servir de orientação - nas avaliações - às áreas de conhecimento nas quais os livros constituem a principal modalidade de veiculação de produção artística, tecnológica e científica.

8out13-EntrevTrienal-GF 0882-web
Carmem Aparecida Feijo – coordenadora da área de Economia (Foto: Guilherme Feijó - CCS/Capes)


A Avaliação Trienal 2013 é a segunda experiência na utilização do roteiro e, para a coordenadora da área de Economia, Carmem Aparecida Costa Feijo, o processo da classificação de livros tem alcançado credibilidade frente à comunidade de sua área. "Paulatinamente, temos percebido que a comunidade vem se envolvendo mais, sendo mais curiosa e crítica em relação ao processo, o que é muito produtivo."
8out13-EntrevTrienal-GF 1017-web
Ricardo Triska – coordenador da área de Arquitetura e Urbanismo (Foto: Guilherme Feijó - CCS/Capes)
Segundo explica o coordenador da área de Arquitetura e Urbanismo, Ricardo Triska, vinculado à Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), o fato da classificação de livros se basear na identificação de atributos e dados referenciais sobre este e não sobre o livro em si, contribuem para aceitação do processo. "O que fazemos é uma avaliação referencial, nós não avaliamos o livro, não é um ranking de livros, a gente identifica atributos no livro que o elevem para uma condição de maior ou menor destaque em termos de representatividade da área. Então, não utilizamos o livro como objeto de avaliação e sim dados referenciais sobre ele. Essa avaliação sempre se vincula ao veículo de disseminação da produção do conhecimento do programa de pós-graduação. Isso exige que a área repense os seus veículos de disseminação e os qualifique de importância no sentido de representatividade, o que consequentemente lhe traz mais credibilidade."
8out13-EntrevTrienal-GF 0847-web
Maria Helena Weber – coordenadora de Ciências Sociais Aplicadas I (Foto: Guilherme Feijó - CCS/Capes)

Avanços
Segundo a coordenadora da área de Ciências Sociais Aplicadas I, Maria Helena Weber, os avanços são claros, se comparados a Trienal 2010. "Tivemos um enorme avanço em nossa área. Nesta edição, por exemplo, utilizamos um sistema feito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), que possibilitou que todos os programas lançassem as suas obras neste e que ainda tivéssemos acesso a relatórios por obras, por número de páginas, por tipo de edição. Sem falar que, à medida que os pontos eram atribuídos, já recebíamos a classificação no extrato correspondente. Isso eliminou uma quantidade imensa de tarefas e etapas."



8out13-EntrevTrienal-GF 0917-web
Berenice Rojas – coordenadora da área de Serviço Social/Economia Doméstica (Foto: Guilherme Feijó - CCS/Capes)


Segundo a coordenadora da área de Serviço Social, Berenice Rojas, sua área também se beneficiou com o sistema desenvolvido pela UFRGS. "A melhora no sistema foi significativa. O sistema desenvolvido pela universidade para outras áreas permitiu que tivéssemos um sistema informatizado com condições de avaliar os livros, gerar relatórios e acessá-los com qualidade."

Para Rojas, a eficiência do sistema e seu constante aprimoramento contribuem para mostrar o trabalho dos programas de pós-graduação. "O livro na nossa área de humanidades é um veículo absolutamente importante e tem um percentual bastante relevante na avaliação dos programas. Nosso objetivo é que, ao qualificá-lo, possamos efetivamente mostrar como os programas têm contribuído com a área na qualificação de seu debate."

8out13-EntrevTrienal-GF 0981-web
Antônia Pereira Bezerra – coordenadora da área de Artes (Foto: Guilherme Feijó - CCS/Capes)
A coordenadora da Área de Artes, Antônia Pereira Bezerra, ressalta ainda a importância da aproximação entre o sistema utilizado hoje e a Plataforma Sucupira. "Esperamos que essa interface que instauramos e utilizamos possa conversar com a Plataforma Sucupira numa esfera muito maior", disse.










8out13-EntrevTrienal-GF 0866-web
Rainer Randolph – coordenador da área de Planejamento Urbano e Regional/Demografia (Foto: Guilherme Feijó - CCS/Capes)

Projeção
Para Rainer Randolph, coordenador da área de Planejamento Urbano e Regional/Demografia, os resultados da avaliação Trienal 2013, serão a base para a discussão de novas propostas visando o aperfeiçoamento da classificação. "Ainda é cedo para falar de propostas. A partir dos resultados desta Trienal, nós sentaremos e discutiremos. Vamos fazer uma análise mais aprofundada depois que terminarmos os trabalhos".

8out13-EntrevTrienal-GF 0925-web
Martonio Mont Alverne – coordenador da área de Direito (Foto: Guilherme Feijó - CCS/Capes)
Já o coordenador da área de Direito, Martonio Mont Alverne Barreto Lima, ressalta a necessidade de avaliar os avanços da classificação de livros. "Que essa evolução continue na qualidade e na quantidade, mas também no avanço dessa evolução, para que a área disponha de mais mecanismos - como eu creio que a Plataforma Sucupira será - para avaliar precisamente cada uma dessas produções."

A área de Artes, por sua vez, já conta com um novo projeto, como explica Bezerra. "Além do acervo material que constituímos na Biblioteca de Letras do Centro de Letras e Artes, no Rio de Janeiro, para esta avaliação 2013, nosso próximo projeto é a disponibilização dessas obras avaliadas em versão digital."





8out13-EntrevTrienal-GF 1005-web
Eliane Zamith Brito – cordenadora da área de Administração/Turismo (Foto: Guilherme Feijó - CCS/Capes)
Rojas explica também que tipos de aspectos devem ser levados em consideração, ao fazer projeções para avaliações futuras. “O fato desta avaliação estar muito mais concentrada em coletâneas de grupos de pesquisa com qualidade, saindo então da produção individual para a produção coletiva e de pesquisa, é um aspecto que deve ser trabalhado com os programas de pós-graduação para que tenhamos uma projeção para o próximo triênio. Sempre lembrando que nosso objetivo é melhorar a qualidade da produção, uma vez que a forma do programa de pós-graduação prestar contas públicas é por meio de seus produtos, por isso eles têm que ser de muita qualidade.”

Para a coordenadora da área de Administração, Ciências Contábeis e Turismo, Eliane Pereira Zamith, a experiência com a ferramenta utilizada para a classificação de livros será a base para novas discussões. “Com o aprendizado que adquirimos no uso do sistema, fizemos um relatório crítico de como este deveria se organizar para avançar nesse processo de avaliação de livros. Com base nesses dados, poderemos fazer novos avanços.”

Gisele Novais